Ano 2018

Ano 2018
O Jogo que te traz informações e mensagens para 2018!

sábado, 23 de setembro de 2017

MENSAGEM DA SEMANA


PARE DE SENTIR-SE CULPADO. A CULPA NÃO EXISTE!




A culpa é-nos incutida desde que nascemos, pelo simples facto de todas as pessoas a usarem. É um sentimento que nos faz sentir incomodados, frustrados, aborrecidos e automaticamente se pensa que somos, seremos castigados. A diferença entre sermos culpados e responsáveis é exactamente na atitude que temos sobre esses conceitos.

Se me sentir culpado/a, posso passar a viver a insegurança, não ter auto-estima, ser dependente. Ao contrário, ao crescer de forma responsável, sou mais auto-suficiente, sei que errar não é prejudicial, sou mais consciente dos meus comportamentos.

Todos sabemos que quando nascemos a culpa não vem connosco, no entanto, além de nos apresentarem a Senhora Culpa, todos ao nosso redor falam dela com muito à vontade e parece que faz parte de nós.

Se me sentir culpado, é natural que sinta que existe um preço a pagar por isso; é um castigo que mereço pelo que fiz de errado > isto é-nos educado como funciona a culpa.

As massas são muito mais fáceis de manipular se viverem a culpa. Durante séculos que a sociedade funciona desta forma. Poderíamos pesquisar e descobrir desde quando é que se desenrola este processo. Está relacionado com o desconhecido, e o ser humano religioso, dogmático, passou a concordar que aquilo que sentia como uma desgraça era algo como um castigo, algo que merecia. Os que mandavam passaram a usar isso através do seu “poder”. Podemos estudar em ciências como Antropologia, História.

Ora bem, a contrapôr a culpa, podemos usar um novo paradigma que surge na Nova Era: sermos responsáveis.

A Lei Universal da Causa>efeito, fala-nos disso mesmo


Somos agricultores, semeamos e colhemos; é mais natural e saudável. Respondemos pelos nossos actos.


Ao ter consciência desta atitude, o meu comportamento muda.

Se me sentir responsável, estarei mais atento e faço escolhas mais assertivas com o que desejo e quero para mim. Empenho-me com mais motivação, porque acredito em mim e no que estou a fazer. Sei que, enquanto aprendiz, a aprendizagem implica eu poder “cair” e levantar-me até conseguir dominar as capacidades necessárias para ter as competências requeridas para atingir o sucesso que ambiciono.


Como responsável sinto-me mais vigoroso/a, auto-confiante, assertivo/a, e os meus passos caminham com mais leveza e tranquilidade.


Deixo de me punir, dar ouvidos ao que os outros esperam de mim, a agradar tanto ao outro, e mais a mim. Compreendo que tudo o que me der, os que me rodeiam beneficiam com isso.

Qual a conclusão?

Desejo muito mais ser um ser responsável do que culpado/a.

Tantas situações em que me sinto frustrada devido às crenças que tenho e me fazem sentir mal comigo mesmo/a. Por que motivo isto acontece?

Provavelmente porque permito que a culpa aja em vez de ser responsável.

Como posso fazer para alterar esta atitude, e consequentemente o meu comportamento?

Ana Guerra
(escrita sem acordo ortográfico)

Enviar um comentário